terça-feira, 29 de junho de 2010

Cúmplices um do outro

Abraçaste-me como se não houvesse amanhã, entregamo-nos um ao outro como se fosse a última vez e beijamo-nos repetidamente como se nunca mais voltasse a acontecer. Mas não...houve amanhã, não foi a última vez e voltou a acontecer. A saudade provocou em nós uma loucura momentânea. De repente, ficámos só os dois, numa bolha onde só havia espaço para mim, para ti e para a nossa eterna saudade de nos sentirmos. Por momentos deixaram de existir pessoas, vozes, gestos, ruídos, e passamos a ser as únicas almas vivas no meio daquela multidão.
Alguém me consegue explicar esta fusão entre nós? Esta entrega sem limites, este amor que não desvanece nem se deixa derrubar por rotinas, por pessoas alheias, por discussões sem sentido. Mantemo-nos fortes, unidos, cúmplices um do outro e, acima de tudo, continuamos a sentir este amor a dois.

Não, não somos perfeitos...somos sim eternos apaixonados!

4 comentários:

incógnita disse...

o amor quando quer consegue ser perfeito =)

Alguém... disse...

"Não, não somos perfeitos...somos sim eternos apaixonados!"

Doce, delicioso :')
BeijinhoS

N. # disse...

acho que a última frase, resumiu tudo o que podia haver :) perfeito. *

Ann disse...

Selo para ti no meu blog :)